O Laboratório de Estudos em Políticas Públicas, Territorialidade e Diferenças–Uné tem como objetivo contribuir por meio de pesquisas e intervenções com o campo-tema das políticas públicas e sua interlocução com o território e os marcadores sociais da diferença - gênero, sexualidade, raça, geração, classe social, religião entre outros -. 

 

Uné (saber fazer), o termo escolhido para simbolizar o grupo, é da língua Kariri¹, o gesto além de uma homenagem, se dá pelo respeito aos povos originários e como uma busca de apoiar para que esta língua permaneça em uso. 

 

O Uné, vinculado à Universidade Federal do Cariri – UFCA, nasce tendo como marcas a interdisciplinaridade, o diálogo e diante de um contexto de ameaça em que a Universidade é convocada a atuar na luta pelo reconhecimento e manutenção das políticas públicas enquanto instrumentos de garantia de direitos individuais e coletivos de cidadania, que reúnem diferentes saberes e práticas, numa visão democrática de redução das desigualdades sociais e construção da justiça social (STAMATO et al., 2016). 

 

O grupo deriva do Laboratório de Estudos em Políticas Públicas, grupo interdisciplinar criado em janeiro de 2017 na mesma instituição e que vem desde então atuando por meio de suas ações acadêmicas – cujos produtos encontram-se publicados em periódicos e eventos nacionais e internacionais – buscando contribuir com a análise e avaliação de políticas públicas por meio do registro, sistematização e difusão de conhecimentos de estudos quantitativos e qualitativos neste campo, de modo a visibilizar a percepção dos(as) sujeitos(as) envolvidos(as) e compreender o impacto destas ações na vida dos(as) mesmos(as).

[1] A escolha das palavras se deu mediante consulta do dicionário Rodrigues-Seabra da Língua kariri (dialeto Kiriri-Kipeá), desenvolvido em sua versão atual por Ricky Seabra que pode ser consultado em: https://www.linguanaturalis.com/kariri

 

Atualmente temos cinco linhas de pesquisa e intervenção, a saber: 

 

1. Políticas públicas, modos de vida e ruralidades (Coordenação da Linha: Laís Leite) 

Objetivos: 1. Desenvolver pesquisas que tenham como foco os modos de vida de sujeitas(os) campesinas(os); Elaborar estudos e intervenções sobre as políticas públicas nos contextos rurais; 2. Realizar intervenções e estudos no campo das políticas públicas de agricultura familiar; 3. Conhecer a percepção de sujeitos(as) envolvidos(as) sobre políticas públicas federais, estaduais e/ou municipais;  

Palavras-chave: Políticas Públicas;  Modos de Vida; Ruralidades; Ambiente Rural; Comunidades rurais.

 

2. Políticas públicas, direitos humanos e diferenças (Coordenação da Linha: Geovane Torres) 

Objetivos: 1. Investigar sobre políticas públicas direcionadas aos direitos humanos de sujeitos e grupos precarizados devido a identidade de gênero, sexualidade e/ou raça; 2. Fomentar discussões sobre a descolonização e políticas das diferenças no seio das políticas públicas, analisando aquelas direcionadas à LGBTQIA+, mulheres, população negra e indígena na América do Sul, Brasil, Ceará e Região Metropolitana do Cariri; 3. Analisar estratégias identitárias nos processos de luta por reconhecimento por parte de movimentos sociais LGBTQIA+, feministas, negros e indígenas. 

Palavras-chave: Políticas públicas; Direitos humanos; Marcadores sociais da diferença; População LGBTQIA+.

 

3. Educação em contextos rurais (Coordenação da Linha: Laís Leite) 

Objetivos: 1. Realizar intervenções e estudos sobre os desafios e potencialidades do cotidiano escolar em contextos rurais; 2. Analisar os documentos legislativos que asseguram o direito à educação no contexto brasileiro; 3. Acompanhar as políticas públicas locais e regionais sobre a educação em contextos rurais; 4. Identificar e visibilizar o fechamento de escolas do campo nas comunidades da Região Metropolitana do Cariri. 

Palavras-chave: Educação; Educação básica; Ruralidades; Ambiente Rural; Comunidades rurais.

 

4. Território, cultura e gênero (Coordenação da Linha: Emanoella Belem) 

Objetivos: 1. Desenvolver pesquisas tendo como foco as questões de gênero a partir de seus atravessamentos com culturas e territórios; 2. Promover discussões sobre gênero em espaços culturais e contextos rurais e urbanos; 3. Avaliar como as políticas culturais contribuem para inclusão das mulheres nos espaços artísticos; 4. Conhecer a percepção das mulheres no contexto rural sobre as questões de gênero e arte. 

Palavras-chave:  Território; Arte e Cultura; Memória; Gênero; Mulheres.

 

5. Educação, saúde e desigualdades (Coordenação da Linha: Rocelly Cunha) 

Objetivos: 1. Desenvolver estudos sobre o impacto das políticas educacionais (escolares e não-escolares) e científicas na saúde psíquica de professoras(es), pesquisadoras(es), estudantes, dentre outros atores, a partir das perspectivas teóricas de/pós/anticolonial e epistemologias do Sul;  2. Realizar discussões acerca dos sofrimentos e/ou adoecimentos psíquicos que se expressam em diferentes campos do cenário educacional brasileiro, bem como, de outros territórios; 3. Elaborar intervenções com o objetivo de visibilizar e fundamentar ações de enfrentamento à violência em instituições educacionais e científicas.

Palavras-chave:  Educação; Ciência; Saúde e Diferença.